Para se pensar um livro é essencial pensar seu aspecto mercadológico e todo o sistema em que ele se insere. É preciso definir estratégias através de um projeto editorial. Isso parece  óbvio quando vivemos num mundo onde praticamente tudo é mercadoria, mas ainda tem muita gente que não pensa assim. Aqui no Brasil o campo das artes ainda sobrevive muito do sistema de mecenato, onde as produções culturais dependem do financiamento, de um montante de dinheiro doado por grandes empresas ou governo.

Já na maioria dos paises exportadores de cultura, como nos EUA, as produções artísticas são vistas dentro da atual ótica do mercado. Livro é produto. Tem suas especifidades, é claro, assim como todo produto. Esse é meu olhar quando falo do caminho do escritor independente:livro nenhum se vende sozinho!

A maioria dos escritores ainda possui uma visão idealizada onde basta escrever até encontrar uma editora que faça tudo por você: melhore seu texto bruto, revise, diagrame num livro lindo, distribua no país todo, divulgue, faça marketing e ainda gere recurso para pagar o autor e sustentar todo esse sistema produtivo. Talvez até virar um filme de Hollywood, não?

Esta é uma visão irreal. É claro que você pode conseguir que uma editora cuide de seu projeto editorial mas você terá que correr atrás delas, entendê-las e negociar. E as editoras sabem muito bem que livros são produtos, que eles podem dar lucro e prejuízo. E que para dar lucro é preciso muito mais coisas que um bom texto.

O livro é apenas um suporte. Hoje em dia, em tempos de Google, Facebook e Wikipedia, o tradicional formato de papel foi até substituido pelos bits e pixels. Quando miramos exemplos como Game of Thrones, vemos que o livro em si é apenas uma pequena parte de um projeto editorial. A ideia de Game of Thrones, a obra, a “franquia”, está na televisão, internet, videogames, cadernos, capas de celulares e vários outros suportes.

Tá, e o que eu tenho a ver com isso?

É claro que o escritor iniciante não deve pensar em Hollywood logo de cara. Aliás, não estou sugerindo nenhuma receita. A ideia é apresentar possibilidades, caminhos, para que o autor consiga aquilo que busca. E que é individual, pessoal, egoísta.

E a ideia é simplesmente criar um projeto editorial diversificado. Fugir do planejamento linear:

ideia genial    -->   escrever   -->   enviar para todas as editora   -->   livros impressos   -->   ficar famoso  -->    novo projeto

Como dissemos acima, é provável que sua ideia não seja tão genial a ponto de convencer empresários do mercado editorial a investir e ter lucro com seu texto. A sua ideia pode ser apenas boa. E a iniciativa será sempre sua. É você quem terá que encontrar a editoras que trabalhem com o tipo de texto que você tem, com o mesmo tipo de público, que invista em novos autores, etc. A pior coisa a ser feita é enviar seu livro para qualquer editora. Chega a ser uma ofensa aos editores! Conheça o catálogo de uma editora antes, saiba se ela lança novos autores, se trabalho com o tipo de livro que você envia. E tenha paciência, pois o retorno geralmente é demorado.

Por fim, encontrada a editora, qualquer acordo será feito por contrato, e como será esse contrato. Quanto você vai ganhar? O que vai ser produzido? Quais os materiais e a aparência que seu livro terá? Onde será exposto, divulgado, distribuido? Além disso, tem crescido muito os contratos mistos, onde o autor precisa entrar com parte dos custos de edição. É uma conta difícil de fazer. Afinal, quanto vale sua ideia?

 

Por onde eu começo meu projeto editorial?

Seu texto já está pronto? O que mais existe no mundo são ideias geniais que nunca dariam certo. São as inúmeras ideias que temos no bar, num insight que vem repentino enquanto lavamos louça. Mas 99,9% dessas ideias jamais frutificam. Se você ainda não tem um texto bem definido, sente e escreva, talvez aquela ótima ideia se mostre horrível ou vire outra coisa.

Certo, você já tem um texto concluido ou bem perto disso (nada de algumas páginas!). Sendo realista com seu tempo disponível para trabalhar no livro, trace um cronograma de 24 meses. Primeiro insira as etapas de finalização do texto, revisão, etc. Depois insira os outros passos necessários (novamente, aqui temos uma lista de todas as etapas de um projeto editorial).

Provavelmente você deve estar pensando em enviar para algumas editoras, no entanto, não fique parado enquanto isso. É fundamental que você crie um público de leitores, começando pelos seus amigos. Mesmo numa negociação com uma editora conta muito mostrar que você já possui um bom público. Compartilhe trechos nas redes sociais, crie uma página no facebook e, se possível, crie um blog. Não faça tudo de imediato, adicione esses passos no cronograma de seu projeto.

Você também pode participar de saraus e eventos literários, conhecer pessoas. Visite outros blogues, conheça autores digitais.

A outra vantagem de divulgar seu livro é que com isso você vai conhecer seu público. Ele compraria um livro infantil? Qual sua faixa etária? Seria um público conservador ou liberal? Classe média ou alta? Quais os temas de interesse?

Na medida em que você conhece seu público e ele cresce, mais ele influenciará no seu próprio processo criativo. Assim as próximas ideias serão pensadas a partir desse público.

 

Custos e outros detalhes

Existem várias ferramentas gratuitas, mas é claro que existem outras ferramentas, especialmente de marketing, que custam dinheiro porém são mais eficientes. Você planeja investir? Quanto? A partir de que momento? Não faça nada precipitado, é para isso que existe seu projeto editorial, para lhe ajudar com a organização.

Você vai imprimir o livro? Vai pagar com a venda? Então você precisa de um planejamento com prazos para essas vendas. E depois do livro publicado, vai ter recurso para divulgar?

Outros passos e processos podem entrar no seu projeto editorial. Aliás, ele deve continuar mesmo que você publique, afinal, haverá 2 edição? Como será a venda?

Fique atento ao nosso blogue, pois traremos mais dicas e informações para ajudar você a preparar seu projeto editorial e não se arriscar em uma aventura mal sucedida. Em breve também quero trazer exemplos de projetos editoriais, mostrando possibilidades e caminhos. Cadastre seu email na coluna ao lado para acompanhar as novidades.

Até a próxima!

 

Gostou? Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *